«

»

Oct
06

Rádio de Outono apresenta novo formato no encerramento da Mostra do Prêmio Dynamite

04/10/2009 – São Paulo – SESC Pompéia

A segunda noite da Mostra do Prêmio Dynamite de Música Independente foi iniciada com a banda carioca R.Sigma. O quinteto funde em seu som influências diversas e distantes, como uma combinação improvável de At The Drive-In com Los Hermanos, se fosse para comparar com alguma coisa. O importante é que o resultado da junção dessas referências é uma identidade sonora bastante interessante, com um excelente trabalho instrumental e uma preocupação bacana com as letras. Para melhorar, em ação a banda é melhor ainda. Os guitarristas Tomás e Diogo tocam com muita garra, mas os olhos são constantemente atraídos para o vocalista Lucas, descalço, que se move como se sentisse a música passando por dentro de seu corpo. O show trouxe ótimas músicas do álbum de estreia do R.Sigma, “Reflita-se”, dentre as quais de sobressaíram “O Mito do Insubstituível” e “Sobre Trunfos e Bandeiras” – a última do show dos cariocas.

Na sequência veio a dupla brasiliense Lucy And The Popsonics, com seu electro rock modernoso. A vocalista e baixista Fernanda contou ao microfone o quanto tocar no SESC era especial para ela, particularmente, e explicou o motivo disso: ela foi medalha de ouro em natação pelo SESC na infância. No show foram tocadas músicas dançantes, como “Garota Rock Inglês”, “Chick Chick Boom”, “Eletronische Musik” e “Coração Empacotado”. É necessário dizer que Fernanda canta todas as músicas exatamente do mesmo jeito, o que faz com que todas elas fiquem extremamente parecidas e com que o show logo cause cansaço. Seria interessante dar uma variada nisso aí. Além disso, a versão electro para “Refuse/Resist”, grande clássico do Sepultura, não colou de jeito nenhum. Para o encerramento a dupla deixou a engraçadinha “I Wanna Be Your Tamagotchi”, cantada em versão bilíngue – parte em inglês, parte em português.

A última banda a se apresentar na Mostra foi a recifense Rádio de Outono. O quarteto de pop rock, que começou carreira sem guitarra, com melodias guiadas por um teclado simpático, apresentou nesse show uma nova formação, agora com guitarra e sem teclado. Nesse novo formato a banda mostrou versões diferentes, inevitavelmente mais pesadas, de músicas como “Espelhos Quebrados”, por exemplo. O Rádio de Outono encerrou a Mostra com um show animado, sob uma belíssima iluminação.

Texto: Bruno Palma
Fotos: Hanilton Scofield

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>